29 de Março de 2017,

Política

A | A

Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 00h:05 | Atualizado:

COMPRA DE VOTOS

Derrotada tenta cassar prefeito em MT citando doação de barco para padre

Em Barão, ex-vice ainda aponta troca de votos por aterro na região do Pantanal


Da Redação

barao.jpg

 

A segunda colocada nas eleições para a Prefeitura de Barão de Melgaço (a 128 quilômetros de Cuiabá), Margareth Gonçalves da Silva (PSDB), acionou a Justiça para que casse o mandato do prefeito do município, Élvio Queiroz (PSC), e do vice, Adriano de Souza Arruda (PMDB), por abuso de poder econômico e político no ano passado. Ela afirma que o prefeito recebeu apoio ilegal da gestão anterior e praticou irregularidades durante as eleições, entre elas a compra de votos.

Margareth era vice-prefeita na gestão anterior e recebeu 2.484 votos, ficando assim com 48,28% da votação. Mesmo fazendo parte da equipe que geriu o município de 2012 a 2016, ela não recebeu apoio do ex-prefeito, Antônio Ribeiro Torres (PMDB).

O ex-gestor de Barão de Melgaço optou por apoiar Élvio, que foi o candidato eleito após receber 2.604 votos, número que representou 50,61% da preferência dos moradores. A disputa teve ainda um terceiro candidato, Robson Taques, o Binho (PHS), que recebeu 57 votos, apenas 1,1% do total.

Conforme denúncia encaminhada pela segunda colocada nas eleições à 38ª Zona Eleitoral de Santo Antônio do Leverger, o prefeito Élvio Queiroz teria realizado diversas compras de votos entre moradores da cidade. Em uma delas, ele teria dado um barco de alumínio ao padre de uma paróquia da cidade, em setembro passado.

A representação aponta que o então secretário de Finanças do município da gestão anterior teria auxiliado o então candidato a comprar o barco. Em troca do meio de locomoção, Élvio teria pedido que o líder religioso cobrasse que os fiéis votassem nele.

Outra situação de compra de votos teria ocorrido em uma região rural, conhecida como Pirain, em Barão de Melgaço, também em setembro. Segundo a denúncia, diversos serviços de aterro foram feitos na região, patrocinados pela então prefeitura municipal. A denúncia relata que a gestão anterior cobrou que os moradores da região beneficiada pelo aterro deveriam votar no prefeito eleito por conta da ação feita nas ruas da região. "Os serviços de aterro eram feitos mediante a troca de apoio e votos pelos moradores beneficiados e a comprovação mais do que evidente é a de que no resultado da eleição, destoando de toda a realidade do município, na seção eleitoral do Pirain, de um total de 72 votantes, Élvio obteve a extraordinária soma de 63 votos (algo em torno de 90%)", relata trecho.

A candidata derrotada ainda alega que a gestão anterior da prefeitura do município contratou ônibus para transportar eleitores para comícios de Élvio. No entanto, em documento da Prefeitura, consta que o veículo foi cedido para que os moradores fossem assistir a uma apresentação de dança. "Este transporte de eleitores foi realizado para qualquer outro fim, menos para a apresentação de Siriri. Ao se descobrir, muito depois do dias das eleições, o pagamento efetuado pela administração, testemunhas asseguraram a Margareth, com segurança, que jamais teria ocorrido a apresentação de siriri naquele dia 29 de setembro de 2016, muito menos no dia 30 (o dia do retorno com a caravana)”, detalha parte da denúncia.

A ação ainda acusa o atual prefeito do município de ter praticado abuso do poder político e econômico e de ter cometido corrupção eleitoral. "Ao promover a doação de bens em troca de votos, ao receber deliberadamente e com fim específico benefícios da administração pública, seja doação de bem, pelos aterros em troca de votos, pelo transporte irregular de eleitores e às custas do erário, sem sombra de dúvida que a conduta dos impugnados configura abuso do poder econômico, já que houve distribuição de bens materiais e corrupção eleitoral”, destaca parte do documento.

Para Margareth, os atos de Élvio desequilibraram a disputa. "Ora, os impugnados ao comprar votos diretamente, ou por interposta pessoa, ou ainda, ao distribuir bens, utilizaram indevidamente de recursos com o escopo de conquistar a preferência dos eleitores beneficiados e seus familiares, explorando a miséria em todos os seus aspectos", pontua outro trecho da denúncia.

A denúncia solicita que o magistrado da 38ª Zona Eleitoral de Santo Antônio do Leverger convoque as testemunhas dos casos mencionados e ainda pede a cassação dos mandatos do prefeito e do vice de Barão de Melgaço, empossados em 1º de janeiro. O magistrado Alexandre Pualichi Chiovitti ainda não decidiu se acata a representação.

VEREADOR

Margareth também pede que seja cassado o mandato do vereador Erick da Silva Gonçalves (PT). Segundo a denúncia, o parlamentar teria sido beneficiado pelo suposto esquema montado para a eleição de Élvio Queiroz.

O pai do vereador petista teria mediado a doação do aterro às regiões rurais, ação na qual o atual prefeito e o líder da gestão anterior também teriam participado.

 Na denúncia, a candidata derrotada destaca que  Erick da Silva foi beneficiado pela ação feita pela gestão anterior, pois os responsáveis pela obra também teriam pedido votos para ele, em troca do aterramento na região rural. "O candidato a vereador, também beneficiado, obteve a soma de 40 votos (número superior a 55% dos sufrágios do lugar), destoando completamente da média de votos deste candidato que, a título de informação, não é morador do lugar e nem proprietário, sequer tem familiares moradores na região”, relata parte da denúncia.

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • Barão no duro | Quinta-Feira, 26 de Janeiro de 2017, 12h56
    1
    0

    A verdade é que até o padre da cidade que deveria abençoar o prefeito eleito, já diz que Élvio será o pior prefeito da história, que líder religioso é esse??? Quem deveria abençoar está amaldiçoando, mas Deus é grande e fiel e estamos com a fé que a nossa querida Barão está por passar por dias melhores, em nome do Senhor Jesus.

  • Claudineli | Quarta-Feira, 18 de Janeiro de 2017, 12h17
    3
    0

    Independente do candidato, doa a quem doer!!! Muda Barão!!! E não adianta comparecer só no dia da eleição! O povo tem q participar das reuniões dá câmara!!! Não pedir telha, tijolo, e sim ações e serviços p a comunidade!

  • orlando | Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017, 14h04
    6
    7

    Pessoal vamos largar de briga por causa de política , porque em primeiro lugar é a amizade e em segundo é a margareth . Para que ja ta feio

  • George Lucas | Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017, 10h33
    6
    2

    O povo que paga o pato , deixa essa contenda pra depois do carnaval , de 2020!

  • jamil barro duro | Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017, 08h37
    10
    2

    pede uma nova eleição dona Margareth pra você ver o cassete gue você vai leva. e duro quem não aguenta perde

  • Jão | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 20h35
    12
    1

    Noooooossa.... Essa Dona foi Vereadora por dois mandatos, e vice-prdfeita em mais um... E nunca moveu uma palha, pelo povo de Barão , ou São Pedro onde moro... É desespero de PEGDEDOR...

  • George Lucas | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 15h51
    8
    0

    Será ? aconteceu ? Tudo que foi dito é verdade ? Cenas do próximo capítulo

  • George Lucas | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 15h36
    6
    0

    Será ? aconteceu ? Tudo que foi dito é verdade ? Cenas do próximo capítulo

  • Simone | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 14h00
    14
    8

    Quem estava em B de Melcaço na data da eleiçao, sabe que na verdade o fato foi inverso. Esta Margareth juntamente com o grupo derrotado do ex prefeito incompetente Sr Marcelo e Chica, derramaram dinheiro descaradamente na compra de votos para o Psdb. Mas o povo de Barao conhece a dignidade e honestidade do verdadeiro filho da cidade, Dr ELVIO. Veterinario, homem da terra, humilde, filho de familia tradicional nascida e criada e com trabalhos prestados ao municipio. O choro eh livre, pode gritar, va ao tapetao, mas a derrota sera dupla....

  • cachaço | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 12h36
    8
    3

    uma cidade com 5mil eleitores? tem que voltar a ser distrito mesmo, ali é só pra mamar na teta da prefeitura mesmo!

  • PANTANAL | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h17
    7
    4

    NA VERDADE TEM UNS MUNICIPOS QUE TEM VOLATAR A SER DISTRITO

  • Antonio carlos | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h13
    17
    5

    Tapetao estratégia do psdb para permanecer no poder sem voto. Fora#pedro taques. Pague o salário dos servidores.

  • Fabio barao | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h06
    18
    9

    Tem que tacar essa mulher ai na cadeia nem em barão ela mora

  • Adriana Soares | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h05
    15
    13

    Nao é de hj que os votos em Barao são comprados.... Foram explicitas a compra de voto... Descaradamente esfregados na cara... O bolso cheio na eleição de Barão... É garantia certa de ser eleito... Houve compra de votos de ate 200,00 reais... Porem celular nenhum era permitido... É tudo no esquema... E de que adianta denunciar?... Nao adianta nada... Liguei duas vezes na PM de Barão para fazer a denuncia de um determinado candidato e a policia simplesmente nao compareceu.... Ai vai fazer o que... Se a Canditada Margareth tem provas... Tem mesmo q denunciar...e ponto.

  • piro | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 09h59
    16
    3

    Essas coisas só acontece em Barão de Melgaço, não é de hoje que vemos essas coisas acontecerem e sem poder gritar. GRITAR PRA QUEM, se ninguem nos houve, Quando ALGUEM olhar pro povo que tanto sofre, fiscalizar melhor,PUNIR QUEM PEDE VOTO EM TROCA DE ALGUM BENEFÍCIO, ai sim, a POLITICA em nosso municipio mudará.

  • Cuiabano | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 07h47
    29
    15

    Esse povo perde eleição no voto,depois quer ser eleito pela justiça!!!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS