24 de Março de 2017,

Política

A | A

Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h:00 | Atualizado:

ORÇAMENTO DE 2017

TCE manda ofício a AL e alerta "buraco bilionário" nos gastos com servidores

Presidente alega que medida é preventiva para que gestores não sejam responsabilizados

ANTONIOJOAQUIM-TAQUES.jpg

 

Os deputados estaduais estão sendo alertados pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso para a hipótese de o projeto em tramitação sobre o orçamento de 2017 do Estado apresentar previsão subestimada de despesas de caráter obrigatório nos grupos de pessoal, na ordem de R$ 1,2 bilhão. ofícios com esse objetivo estão sendo enviados hoje aos parlamentares pelo conselheiro presidente Antonio Joaquim. A Assembleia Legislativa está na eminência de votar a Lei Orçamentária Anual.

O documento tem como anexos ofícios enviados pelo TCE-MT no dia 6 de dezembro do ano passado aos então secretários de Estado de Planejamento e Fazenda, respectivamente, Gustavo Pinto Coelho de Oliveira e Seneri Paludo. Na ocasião, o Tribunal de Contas cobrou dessas autoridades esclarecimentos sobre a metodologia e as memórias de cálculo utilizadas na elaboração da proposta da LOA 2017, inclusive apontando as possíveis diferenças entre a previsão na LOA e a projeção de execução nas rubricas Pessoal e Encargos Sociais, Juros e Encargos da Dívida e Amortização da Dívida.

A hipótese de subestimação das despesas de caráter obrigatório foi detectada após cruzamentos de dados e informações realizados pela unidade de inteligência do TCE-MT. Essa unidade trabalha com projeções e levantamentos para instruir auditorias e fiscalizações concomitantes e/ou preventivas.

A hipótese de subestimação foi levantada, inicialmente, para subsidiar os trabalhos realizados por Comissão Técnica de Auditores, que realiza o acompanhamento do fluxo de caixa da receita pública estadual. Pela projeção feita pelos auditores do núcleo de inteligência, a LOA/2017 deveria prever despesas com pessoal, encargos sociais, juros, encargos da dívida e amortização da dívida na ordem de R$ 11,7 bilhões, mas a proposta orçamentária entregue na Assembleia Legislativa totaliza despesas em R$ 10,5 bilhões - uma possível diferença na ordem de R$ 1,2 bilhão.

A Seplan e a Sefaz não informaram o TCE-MT, após o ofício de 6 de dezembro, se houve correção na peça orçamentária. O presidente do TCE tem dito que o novo modelo de fiscalização obriga o Tribunal de Contas a atuar preventivamente, contribuindo para que se evitem falhas ou situações difíceis de serem reparadas”. “O momento para fazer correções e evitar eventuais erros é agora, durante o debate da lei orçamentária”, ponderou o conselheiro Antonio Joaquim.

 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • EDUARDO | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 21h37
    3
    1

    TC, PEDE A DEVOLUÇÃO DO DINHEIRO DA SEDUC E AI TA RESOLVIDO O PROBLEMA. BANDO DE ENRROLADO

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS