23 de Fevereiro de 2017,

Política

A | A

Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 14h:14 | Atualizado:

DUODÉCIMOS

TJ pode acionar Estado para garantir repasse do duodécimo


A Gazeta

ruiramos-presidentetj.jpg

 

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), desembargador, Rui Ramos, reconheceu que o Executivo está mantendo o diálogo aberto sobre a questão dos repasses em atraso do duodécimo. Apesar disso, alertou que não permitirá que os servidores do Judiciário corram o risco de ficar sem seus salários e se necessário acionará o Executivo na Justiça. 

As declarações foram dadas a reportagem de A Gazeta, na sede do Poder Judiciário mato-grossense, em Cuiabá nesta terça-feira (10). Questionado sobre o tema, Rui Ramos foi direto ao ponto: “O Executivo, por meio dos secretários de Gestão, de Fazenda e do próprio governador têm sido muito solícitos e atenciosos quanto à transparência desse tema. Não acredito que o gestor tenha atrasado esses repasses constitucionais de forma proposital e sabemos da crise que está passado todo o país. Mas caso haja, e aqui não estou dizendo necessariamente que ocorrerá, a possibilidade de um prejuízo aos servidores do Poder Judiciário - eu não hesitarei em recorrer a medidas tanto administrativas, quanto judiciais em desfavor do Executivo”, explicou Rui Ramos -deixando claro que tal cenário é extremo e que não acredita que tal situação se concretizará. 

Segundo Rui Ramos, a probabilidade “mesmo que remota” de uma greve no Judiciário pode provocar grandes prejuízos à sociedade. “Em primeiro lugar estão nossos jurisdicionados e eles não podem ser penalizados de forma alguma por causa de uma crise como esta”, comentou.

Recentemente a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, deferiu liminar a favor do Estado do Rio Grande do Norte contra liminar deferida pelo Tribunal de Justiça (TJ-RN), que determinou o repasse integral do duodécimo.

 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Andre | Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 15h42
    11
    4

    Ai os marajás, que ganham 300, 400 mil mensais, reclamando? E o povo aí, inerte, custeando esses marajás. Olha já chegou a hora de um "louco", tomar o poder e acabar com isso, ou o povo se rebelar e começar a administrar com responsabilidade, com as condições minimas de sobrevivência para o cidadão do país, vivemos num país rico. Agora esses caras tem a cara de pau de vir dizer que vão acionar o Estado e enquanto isso o povão desempregado? Vão as ruas, saiam dos seus gabinetes luxuosos, a corrupção foi tanta e desgovernada, por todos, e que agora chegou a conta, e adivinha quem irá pagar? Eu, você, o povão que sustenta a nobreza. Olha do jeito que está, e já que é para acabar de incendiar o país, se o BOLSONARO se candidatar, voto nele, e se ele dar um golpe de Estado, me mudo de país, já não aguento mais tanta corrupção, todo dia é uma nova agonia e o presidente do país concedendo aumento salarial para os servidores públicos, inclusive para aposentados e pensionistas. Que país é esse? Os empresários sérios estão mudando de país, e abandonando o Brasil, pois do jeito que está, ninguém aguenta, e ninguém faz nada, só ficamos atrás de uma tela criticando e não tomamos nenhuma atitude.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS